Segundo Pedro Jervell «os mercadores vão a países comprar produtos que lhes interessam, com valor cultural, para os vender depois noutros países», sendo que neste projecto de transporte à vela «a abordagem que é feita ao conceito tempo e horas é similar à desenvolvida nas empresas envolvidas».